Cultura & Comportamento


Passamos e estamos passando por momentos difíceis e, em outras tantas vezes, pareceu que aquele momento difícil nunca iria acabar. Nesses momentos, surgem dúvidas, ficamos impressionados com a maldade de algumas pessoas e há até quem associe isso ao fim dos tempos (afinal tensões políticas + pandemia + gafanhotos + isolamento + ciclone + ...).

É preciso ter calma e pensar com cuidado nessas coisas, pois o calor das emoções pode nos fazer pensar coisas equivocadas. Nesse artigo, vamos discutir um pouco mais esse momento, pensando em coisas como bem e mal, ceticismo ou não, e o final dos tempos.


https://www.oblogdomestre.com.br/2020/09/Pandemia.FimdoMundo.CulturaEComportamento.html
 [Imagem: Thomas Breher/Pixabay]



O MAL ESTÁ CRESCENDO?


“É o fim dos tempos? ‘Hoje em dia o mundo está perdido’.“ Em algum momento, você deve ter ouvido falar essas expressões que fazem parte do vocabulário de algumas pessoas, como ressalta Mariana Cruz em seu artigo “De onde vem o mal?” Ainda é possível acrescentar a essa lista, a expressão “o mundo está cada vez pior”, ou mesmo “as pessoas são cada vez mais ruins”.

Quando vemos notícias de pessoas que tentam usar sua posição para intimidar os outros, ou até mesmo para deixar de usar uma máscara, isso impacta bastante, associando-se aos corriqueiros problemas sociais e crimes (mortes, roubos, abandono de crianças, trabalho escravo) dos quais nossa sociedade (no Brasil ou fora) não deixaram de presenciar. Por outro lado, é preciso que olhemos atentamente o passado para ver se esse mal surgiu agora: imaginemos a escravidão de negros no Brasil, a primeira grande guerra, a crucificação de Jesus, a inquisição, o lançamento da bomba atômica e tantos outros episódios que demonstram feições profundas de maldade.

O mal é um elemento constante em nossa história, mas ele nos fragiliza mais em momentos difíceis como a pandemia, o que nos faz acreditar mais em fatos apocalípticos. Apocalipse, o último livro bíblico, ganhou tons de fim-de-mundo pelas diversas interpretações que recebeu, de acordo com o texto de Rodrigo Cardoso para a Istoé.

Ainda segundo esse texto citado, Apocalipse teria sido escrito por João e teria passado mensagens de otimismo e fé num triste momento, ocorrido no ano 90 d.C. O Império Romano estava atacando a comunidade judaico-cristã, e João anunciava o fim daqueles que faziam sofrer, usando uma série de metáforas e outras figuras de linguagem. Seria essa linguagem rebuscada, digna de Literatura, que teria sido mal interpretada, transformando em fim o texto que inspiraria luta e recomeço.

QUEM É MAIS CÉTICO, OU QUE ACREDITA MAIS NESSE FIM DE MUNDO?


Num primeiro chute, poderíamos pensar que as pessoas que mais acreditam no fim do mundo seriam aquelas mais velhas, pois o mundo está o tempo inteiro mudando nas pequenas coisas, apesar de que o bem e o mal sigam existindo com o passar dos anos, e elas não estejam mais do mesmo jeito que começaram suas vidas. Por mais que algumas das pessoas mais velhas digam que “Hoje em dia o mundo está perdido”, é preciso ser cuidadoso nas generalizações, atentando para não se levar por estigmas associados à velhice, como bem reforçam Virgínia Moreira e Fernanda Nogueira em seu artigo “Do indesejável ao inevitável: a experiência vivida do estigma de envelhecer na contemporaneidade”.

Lá em 2012, a BBC divulgou resultados de um estudo da Ipsos, chefiada por Keren Gottfried. Em meio à onda do fim-do-mundo-dos-maias, esse estudo coletou dados de mais de dezesseis mil pessoas em vinte países, chegando a interessantes conclusões: não era pequeno o número de pessoas que tinham alguma crença em fim de mundo.

Segundo esse estudo, uma em cada sete pessoas acreditavam que o mundo acabaria e que vivenciariam isso. Dentre os povos que mais creem nisso estariam chineses, russos, mexicanos e sul-coreanos (20 %) contra britânicos e belgas, menos crentes no fim (7 %). Pessoas com menor escolaridade ou renda, ou pessoas com menos de trinta e cinco anos de idade, também figuravam entre os mais crentes, chegando a sofrer com essa perspectiva.

Ainda considerando essa pesquisa, as pessoas mais velhas não seriam as mais crentes no fim do mundo. Elas teriam mais ceticismo, mas não que as levasse a crer no fim do mundo, pois sua experiência com situações difíceis as teria feito mais fortes para suportar momentos difíceis e não temer o futuro.

O QUE MAIS SE IMAGINOU SOBRE O FIM DOS TEMPOS?


Temos teorias apocalípticas e fatos concretos sobre o final do mundo, alguns deles muito distantes, como o ciclo do Sol como uma estrela, do qual já falamos aqui no Blog do Mestre e deixamos o link abaixo para você saber mais. Outra possibilidade estaria não no fim do mundo, mas a mudança da forma que ele se encontra hoje, pela extinção dos seres humanos como seus principais ocupantes, pela ação dos supervulcões (saiba mais vendo as demais sugestões de leitura presentes após a imagem acima).

Todas essas possibilidades levam a períodos muito maiores do que uma vida humana perdura. A grande lição é não pensar no fim, mas como se vive o cotidiano, pois é ele que realmente importa. Nem pandemia, nem outros supostos sinais realmente indicam o fim do mundo, exceto poucas explicações baseadas na Física e que nada se alinham a esses sinais.




GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!