Citação: por que usar? Quando? De que forma?

watch_later 18 de outubro de 2016
comment Comentar
Variedades 


Quem busca produzir um trabalho científico ou acadêmico tem uma constante preocupação: como não criou todas as ideias que existem no mundo, precisa creditá-las a alguém. Isso acontece por meio da citação, onde o nome do autor de um texto e ano de publicação são indicados ao longo de outro texto que o utilize como base, e, ao fim, é apresentada uma lista com maiores informações. 

Citações
[Imagem: Emílio Sander]


Devo sempre usar citações em um texto?
A resposta consiste na obrigatoriedade ou no ineditismo das informações passadas, se elas não forem produzidas pelo autor. Costuma-se ainda citar outros livros e textos produzidos pelo próprio autor, apesar de que isso seja um extremo exagero.  O risco que se corre em não citar algo que não veio do seu próprio conhecimento é a acusação de plágio (popularmente: cópia descarada).
O Blog do Mestre, por exemplo, cita algumas das fontes de imagens, algumas informações específicas e origem de excertos retirados literalmente de livros. Porém esta página não é um trabalho científico, não se propondo a todo este rigor, além de produzir vários conteúdos inéditos. Situações e conhecimentos de senso comum também não precisam ser creditados.

Como citar?
Há diferentes padrões. Assim como no formato de trabalhos científicos em geral e outras milhares de coisas, há norma ABNT específica (NBR 10520 e NBR 6023.2). Pode ser indicado o sobrenome do autor e o ano (BLOGUEIRO, 2016), uma lista numérica, entre outras formas.

Qual a vantagem das citações?
Dar crédito aos criadores de uma ideia e embasar dados e informações, evitar culpas por problemas em dados prévios e fornecer fontes de consulta para outras pessoas que queiram realizar trabalhos científicos com temáticas semelhantes.

Qual o inconveniente das citações?
Torna-se impessoal o texto. Em muitas apresentações, discussões sobre trabalhos científicos, defesas... passa-se a tratar o autor do texto apenas como um ano e um sobrenome. A forma de citar por autor e ano apenas facilita a catalogação em uma lista. Algumas pessoas, inclusive, adotam apenas a forma (BLOGUEIRO, M. Post do Blog do Mestre) perdendo-se depois a referência ao nome do autor. O ideal é escrever de uma forma, mas não reproduzir a citação na fala.

Formatos mais comuns de autores
Seguindo a Norma ABNT, podem ser:
- Sobrenome (2016) ou (SOBRENOME, 2016);
- Sigla da Entidade (2016) ou (SIGLA DA ENTIDADE, 2016);
- Brasil (2016) ou (BRASIL, 2016) (quando órgão público, Lei Federal, etc.)

Quando há mais de um autor
Ao passar de três autores, indica-se aquele primeiramente listado no documento, seguido da expressão et al (equivalente a ‘e outros’).

Se eu apenas interpretei o texto de alguém, mas não reproduzi?
No caso de trabalho científico, ainda assim precisa haver citação. Caso o texto seja reproduzido literalmente em algum ponto e haja tradução ou grifo de quem o reproduzir, é necessário indicar isso também.



E ainda mais para você: TCC - Trabalho de Conclusão de Curso



GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)