Como é calculado o IDH – Índice de Desenvolvimento Humano?

watch_later 12 de fevereiro de 2015
comment Comentar
Variedades

O Índice de Desenvolvimento Humano é um valor entre 0 e 1 que busca agregar informações sobre três bases: saúde, renda e escolaridade. Foi criado por Mahbub ul Haq com a ajuda de Amartya Sen, economista indiano ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1998, com o objetivo de retratar o desenvolvimento humano de um local, ponderando não só sobre a renda, como faz o PIB, mas sobre outros aspectos fundamentais, sem esgotar esta matéria. É publicado em um relatório anual da Organização das Nações Unidas, o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH), que inclui informações que complementam os resultados e os fundamentam.

IDH publicado no RDH pela ONU
[Imagem: Evolution Academy]


O aspecto saúde é medido pela expectativa de vida ao nascer na data de estudo; enquanto a educação pondera entre o número de anos em que, nas condições atuais, uma pessoa pode vir a cursar, bem como a taxa de analfabetismo, considerando a idade de 15 anos como ponto fundamental nesta contabilização. Por fim, o aspecto renda á obtido através do Produto Interno Bruto per capita de um determinado local, seja município, estado ou nação. Em 2013, o primeiro lugar global foi norueguês, com nota 0,944, com o Brasil em 79º lugar, com IDH 0,744.

A forma geral dos índices de cada aspecto é dada por:

[índice observado – índice mínimo] / [índice máximo – índice mínimo]

Para a educação, os dois índices que envolvem a escolaridade (anos de estudo e analfabetismo) são unidos por meio da raiz quadrada do produto entre os dois. Após, é seguido o modelo acima, com um mínimo de zero.

Para a expectativa de vida, o valor mínimo utilizado é de 20 anos, enquanto que os valores observado e máximo são resultantes dos levantamentos municipais, estaduais e globais. Por fim, para o IDH, como são valores que assumem grandes proporções, a fórmula acima é adaptada para diferenças entre logaritmos naturais/neperianos dos valores observado, máximo e mínimo. Assim, temos para o índice econômico:

[ln(PIB per capita observado) – ln(PIB per capita mínimo)] / [ln(PIB per capita máximo) – ln(PIB per capita mínimo)]

Com os três índices envolvendo educação, saúde e renda, até o ano de 2010, era realizada a média aritmética dos três, ou seja, um peso 1/3 para cada índice, sendo a soma o IDH. Atualmente, como a formulação segue em constante atualização, adota-se uma média geométrica, ou seja, a raiz cúbica do produto entre estes três índices.

Outro ponto interessante é considerar como surgem os subíndices e suas características. No caso da expectativa de vida, este é um dado obtido por censos e registros civis de natalidade e mortalidade de seres vivos. O PIB é um dado de pleno conhecimento dos governos, mas é um índice puramente quantitativo. Houve uma melhora ao pensar em distribuição de renda, considerando valores per capita, mas para pensar em desenvolvimento humano nos leva a crer que dinheiro é instrumento e não finalidade, então a saúde, representada pela expectativa de vida, e a escolaridade que, indiretamente traz maior desenvolvimento econômico, sejam postas em igual peso. Note que todos os subíndices também variam no domínio 0 a 1, com três significativos.







GOSTOU DESTA POSTAGEM? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)