História

 

A indústria japonesa, principalmente com o Toyotismo (produção enxuta), trouxe uma enorme evolução ao setor industrial, que antes se baseava muito em produzir e produzir, e precisou readequar a forma de funcionar. De vários conceitos que saíram da filosofia enxuta, difundidos a partir dos anos 1970, vamos falar de dois deles: poka-yoke e baka-yoke, que são conceitos-irmãos.

 

 

Várias decisões precisam ser tomadas no processo produtivo
[Um botão errado e... Imagem: Dorolein / Pixabay]


 

DEPOIS, VOCÊ PODE LER TAMBÉM

» O que significam fordismo, taylorismo e toyotismo?

 

» Volvismo

 

» A indústria 4.0

 

O BAKA-YOKE

 

Shingeo Shingo atuava na linha de produção da Toyota nos anos 1960, e se deparava com muitos erros de produção advindos de falhas humanas, algo que acontecia diariamente. Hoje considerado um gênio da Engenharia, ele trabalhou em técnicas para evitar erros, as quais chamou de baka-yoke.

 

“Baka” significa idiota, em japonês. Yoke, significa “à prova de”, então o significado (que não é figurado), de baka-yoke é “à prova de idiotas”.

 

O POLITICAMENTE CORRETO POKA-YOKE

 

Algumas versões indicam que Shingeo teria mudado o nome, com o aprimoramento das técnicas. Outras versões apontam que essa troca teria vindo por parte de outras pessoas, como por um funcionário da Arakawa Body Company. De qualquer sorte, o nome foi mudado para poka-yoke, o que significa “à prova de erros”, o que representa uma das várias mudanças de valores que acontecem com o passar dos anos.

 

ALGUNS EXEMPLOS DE POKA-YOKE NO DIA-A-DIA

 

A grande ideia de aplicar o conceito de poka-yoke é, justamente, evitar coisas que possam levar a erros. A automatização de alguns processos, onde se impede a tomada de decisão quando não pode acontecer, é uma forma. Outra é impedir que, tomada uma decisão errada, a mesma se concretize em um erro ou problema depois.

 

Um exemplo dentro da fábrica da Toyota era de colocar todas as peças para fazer um interruptor em um prato. Isso aconteceu depois de reiteradamente esses interruptores não funcionarem pela falta de uma mola. Com a mudança (o poka-yoke), se sobrasse uma peça que fosse no prato, alguma coisa estava errada.

 

Outros exemplos que ilustram:

 

- O pen drive possui um formato que não encaixa se estiver do avesso.

- O cartão SIM de celulares só vai funcionar na posição correta desenhada.

- Um arquivo em uso em programas do Windows é automaticamente bloqueado para mudança de pasta ou mesmo para ser removido.

- Uma conta de e-mail ou outro login com acesso suspeito leva a avisos ao proprietário daquela conta por SMS, outros e-mails ou janelas pop-up no celular.

- O carro automático não vira a chave se não estiver engatado na posição “P”.

- As chaves tetra só abrem se posicionadas corretamente, com parte de cima coincidindo com a indicação na própria chave.

- O leitor de cheques do banco Bradesco lê várias posições e obtém os dados do cheque digitalizados, não precisando uma foto perfeitamente perpendicular.

- A tomada de três pinos, padrão brasileiro, só vai encaixar se posicionada com os pinos coincidindo.

 

PRODUÇÃO PUXADA E PRODUÇÃO EMPURRADA

 

Antes de falar em poka-yoke, é preciso internalizar mais ideias lean, como a produção puxada e produção empurrada. Na sugestão da linha azul 👇🏻, separamos um post para você saber mais:

 

 

 

E AINDA MAIS PARA VOCÊ:

👉 Produção puxada e produção empurrada

 

 

GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!