O que fez Paulo Freire?


Biografias


Considerado um dos patronos da educação brasileira, Paulo Freire começou seus primeiros anos de escola com risco de não seguir estudando.

https://www.oblogdomestre.com.br/2018/12/PauloFreire.Biografias.Historia.html
[Imagem: Revista Veja]




Paulo nasceu em Recife, Pernambuco, em 19 de setembro de 1921. Ele veio em uma família com pai policial militar e mãe do lar. Aos dez anos, a família se mudou para Jaboatão dos Guararapes.

Três anos após, a vida teve nova reviravolta. O pai de Paulo, o Sr. Joaquim, faleceu, e sua mãe, a D. Edeltrudes, teria dificuldades de manter o filho na escola, com mais três irmãos.

Foi então que a mãe, desejando que o filho pudesse seguir estudando, pediu ajuda ao diretor do Colégio Oswaldo Cruz. Ela conseguiu que seu filho se tornasse bolsista, sendo que o mesmo virou monitor de classe e depois professor de Língua Portuguesa.

Paulo Freire ingressou na Faculdade de Direito de Recife em 1943. No ano seguinte, casou-se com Elza de Oliveira, com quem formou família com cinco filhos.

Estando formado em Direito, acumulou as funções de Professor na escola Oswaldo Cruz com a aula de Filosofia da Educação na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Pernambuco.

No ano de 1947, Freire foi nomeado diretor do setor de Educação e Cultura do Serviço Social da Indústria, o SESI. Passados oito anos, fundou o Instituto Capibaribe, uma parceria com outros educadores, na cidade de Recife. Esse instituto configurou-se como uma escola inovadora que conseguiu atrair muitos intelectuais da época, permanecendo até hoje em atividade.

O cunho social do trabalho de Paulo foi além das lições no Colégio, na Universidade ou mesmo na criação do Instituto. Freire percebeu que a realidade social era de muitos analfabetos no interior do estado, principalmente na zona rural. Como analfabetos, eles se tornavam um grupo de excluídos.

Paulo desenvolveu um método para alfabetizar esses alunos. A base foi com palavras de seus cotidianos como terra, enxada, colheita, fogo e outras. Partindo disso, os alunos tinham de pensar em questões sociais relativas aos seus trabalhos.

Esse método foi aplicado pela primeira vez em 1962, na cidade de Angicos - RN, com trezentos trabalhadores rurais que foram alfabetizados em quarenta e cinco dias. Mais tarde, em 1964, o cunho progressista e libertador que tem a educação foi visto de outra forma. Os fazendeiros locais chamaram o processo de "praga comunista".

Freire foi preso por setenta dias pela ditadura militar e depois exilado no Chile. Por lá, passou cinco anos desenvolvendo um projeto de educação de adultos no Instituto Chileno para a Reforma Agrária e escreveu o livro "Pedagogia do Oprimido", sua obra mais famosa.

Já em 1969, Harvard recebeu Freire como professor. Em Genebra (Suíça), foi consultor especial do Departamento de Educação do Conselho Municipal das Igrejas pelo período de dez anos. Outras atividades de consultoria foram prestadas em países pobres ou emergentes, principalmente africanos e em processo de independência.

Na década de 1980, chegou ao fim a Ditadura e Paulo retornou ao Brasil. Estabelecido em São Paulo, lecionou na PUC e na Unicamp. Na gestão municipal de Luísa Erundina, assumiu o cargo de secretário de Educação.

Freire casou-se novamente, após ficar viúvo da primeira esposa. Ana Maria Araújo Freire era ex-aluna do colégio onde ele lecionara por primeiro. Em 02 de maio de 1997, Paulo deixou a todos nessa vida, vítima de infarto, e Ana Maria continua dando prosseguimento a sua obra, inclusive com novas edições de seus livros.

Harvard, Cambridge, Oxford e outras trinta e oito universidades espalhadas ao redor do mundo reconheceram o trabalho de Paulo Freire com títulos de Doutor Honoris Causa (veja nas sugestões de posts o que isso significa). Isso dá um pouco de noção da dimensão da carreira desse educador, que trazia uma síntese das principais correntes filosóficas que despontaram em sua época e muito talento para a escrita.

Em 2018, ao longo das eleições presidenciais, o então candidato Jair Messias Bolsonaro, dentre uma série de afirmações e posturas polêmicas, pôs-se a questionar a presença de conceitos educacionais advindos da obra de Freire. É de se reconhecer que educação sempre precisa ser revista e evoluir com o passar do tempo, mas considerar que um gigante como Freire merece ser "expurgado" de nosso contexto educacional é um equívoco grandioso. A educação do país precisa criar um misto entre o tradicional, onde o aluno obtém conceitos pela explicação do professor, e a construção e consolidação pela atividade crítica e criativa, como Paulo defendera.



👉 E ainda mais para você: O que é o título de Doutor Honoris Causa?



GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.