URSS – De potência mundial à economia em declínio.

watch_later 14 de outubro de 2014
comment Comentar
História

A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas foi um país asiático-europeu, símbolo mundial de um novo sistema político-econômico, o Socialismo. Este sistema político tinha seus pilares firmados na igualdade de classes, no governo comandado pela classe trabalhadora, trazendo toda a cadeia de produção para o controle governamental. Porém, este modelo de governo foi marcado, na verdade, por um regime ditatorial, com rixas internas no único partido a controlar o governo. A corrupção também foi um mal soviético, tanto que, o propósito de igualdade de classes ficou só no papel.

Compunham a União Soviética os seguintes países: Rússia; Lituânia; Letônia; Estônia; Geórgia; Armênia; Azerbaijão; Bielorrússia; Cazaquistão; Moldávia; Quirguistão; Tadjiquistão; Turcomenistão; Ucrânia; Uzbequistão.

União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
[Imagem: Rebelde Mule]


A União Soviética foi um dos protagonistas na vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial e, por conta disso, um dos mais abalados economicamente. Nesta época, o governo de Joseph Stálin foi efetivo em promover a recuperação e transformá-la em uma das grandes potências mundiais, se tornando o polo oposto aos Estados Unidos. Dos anos 40 aos anos 90, os dois protagonizaram a chamada Guerra Fria em que, estas duas potências travaram embates em todos os sentidos, desde as competições esportivas até apoiando militarmente países em guerras que ocorreram no período (Coreia, Vietnã, etc.).

Porém, ao longo do tempo, a situação econômica foi regredindo. A indústria soviética foi-se tornando obsoleta, assim como o setor agrícola se tornou incapaz de suprir toda a demanda de alimentos da própria URSS. Um diferencial presente no modelo capitalista, o qual o sistema socialista não possui, é o fato de que a competitividade das empresas impulsiona o desenvolvimento de novas técnicas de produção mais eficientes e produtivas, reduzindo custos e aumentando a produção. No sistema socialista, no entanto, como não havia empresas concorrentes, não se viu lógica em melhorar o sistema de produção num ritmo que acomodasse a demanda.

Em 1985, com a entrada de Mikhail Gorbatchev, a União Soviética passou por mudanças políticas, econômicas e sociais, que sinalizaram uma mudança gradual para o retorno ao capitalismo. Gorbatchev propôs dois planos:  perestroika (reestruturação) e glasnost (transparência).

O plano perestroika propunha modernizar e dinamizar a economia do país, com a autorização de existência de empresas privadas, entrada gradual de transnacionais. E o plano glasnost previu a diminuição da atuação Estatal nas questões civis, com a soltura dos presos políticos, volta da liberdade religiosa e de expressão, entre outras medidas.

Depois do caminho aberto, todos entenderam o recado. Aos poucos, as repúblicas soviéticas passaram a autonomia, com a total desintegração em 1991, aos 21 de dezembro. Nesta oportunidade, foi criada a Comunidade dos Estados Independentes (CEI), abrangendo os ex-países soviéticos.






Þ GOSTOU DESTA POSTAGEM? USANDO ESTES BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)