#FicaADica

 

 

A comunicação é algo extremamente importante, tanto que a Pré-História e a História são divididas por um marco: o surgimento da escrita. Os instrumentos e formas de comunicação mudaram, com textos impressos, virtuais, áudios e vídeos, mas o objetivo continua sendo o mesmo: transmitir uma mensagem a alguém, e que esse alguém entenda o que o emissor desejava comunicar.

 

Essa efetividade de entendimento das mensagens do emissor pelo receptor é objetivo da comunicação assertiva. Vamos ver, nesta postagem, algumas dicas para melhorar sua comunicação e torná-la assertiva.

 

Equipe está se comunicando
[Comunicação assertiva é muito importante em trabalhos em equipe ou na comunicação entre duas pessoas. Imagem: Free-Photos/Pixabay]


 

DEPOIS, VOCÊ PODE LER TAMBÉM

» Etiquetagem de produtos

» Como fazer uma boa entrevista jornalística

» O que ter em sua caixa de primeiros socorros?

 

1. NÃO DEIXE DE TRANSMITIR A MENSAGEM DESEJADA

 

Na entrega de tarefas, tanto dentro de uma empresa, como em escritórios que envolvam serviços criativos (como arquitetura, engenharia, artes gráficas, por exemplo), o receptor (chefe ou cliente) precisa indicar se gostou ou não ao receber essa tarefa. Se não houver clareza, o profissional ou não conseguirá direcionar seu trabalho e corrigir o que seria necessário, ou o trabalho ficará insatisfatório. Esses retornos também favorecem o desenvolvimento profissional, aperfeiçoando entregas futuras.

 

O único cuidado deve ser na postura, que não pode ser agressiva. É recomendável falar que o trabalho está insatisfatório, ou o item que incomoda, e ressaltar características como potencial, conhecimento e competência para fazer algo melhor – o que motiva o receptor e aumenta as chances de efetividade. Esse retorno precisa ser particular, não em frente a uma equipe inteira, constrangendo o receptor.

 

2. PROCURE ESCUTAR O OUTRO E FALAR NUMA MESMA LINGUAGEM

 

As pessoas possuem formas diferentes de se expressar, o que depende do nível educacional, leitura, cultura e experiências. Não é preciso que uma pessoa seja e fale exatamente igual à outra, mas esse alinhamento precisa existir na hora da comunicação, para que haja o entendimento e a comunicação seja assertiva.

 

Um exemplo é o nome de documentos. O Certificado de Registro de Veículo (CRV) é conhecido por algumas pessoas por DUT (Documento de Transferência, nome informal). Para que um despachante e sua secretária, ou um funcionário de atendimento do Detran sejam efetivos, é bom que saibam os dois nomes e vejam qual deles que a pessoa conhece quando forem dar as orientações.

 

3. É BOM SE CERTIFICAR SE O OUTRO ESTÁ ENTENDENDO

 

Orientações que envolvem tempo, deslocamentos grandes ou grande probabilidade de erro merecem maior atenção, mas, mesmo nas orientações mais simples, é importante que se certifique se o outro entendeu a sua mensagem. Suponhamos que uma pessoa pede ao office boy que compre o papel. Esse papel pode ser o de usar na impressora, ou o papel-toalha da cozinha da firma.

 

Lá na loja onde esse office boy foi comprar, vendiam os dois tipos, e ele entendeu o tipo errado. Pode ocorrer o transtorno da devolução e perda de tempo, então teria sido bom perguntar a ele, antes de sair do escritório, o que ele deveria fazer, detectando essa falha de entendimento antes de o fato ocorrer. De tempos em tempos, durante a conversa, é importante a verificação desse entendimento.

 

4. PONDERE SUA COMUNICAÇÃO DE ACORDO COM SEU GRAU DE ENTENDIMENTO DO ASSUNTO

 

Não sabemos de absolutamente tudo ao mesmo tempo, ficando essa característica reservada a Deus, ou aos deuses, de acordo com a crença do leitor. Isso não é, necessariamente um problema, mas você precisa saber lidar com cada assunto de acordo com o seu grau de entendimento e do receptor da mensagem.

 

Se você entende mais daquele assunto, pode falar de forma mais consistente e segura. Caso não-seja-a-sua-praia, você pode conversar, mas pondere e explique se algo seria sua opinião, se há incerteza – a moderação ao falar, desde que explicada, não é um defeito nesse caso.

 

5. CUIDADO AO USAR PRONOMES RELATIVOS

 

Na linguagem escrita, podemos e devemos usar os pronomes relativos, pois fazem parte de nossa língua e a enriquecem. O grande problema acontece quando fazemos períodos compostos muito compridos ou com mais de um elemento que poderia ser substituído pelo pronome relativo.

 

Vamos a um exemplo:

 

Ela falou à filha que estava grávida.

 

Quem engravidou, afinal? Precisaríamos de todo um contexto para entender, o que nem sempre temos acesso. E se a mensagem viesse assim?

 

Ela falou da gravidez à filha.

 

Acho que agora é possível entender quem engravidou.

 

6. COMBINE SEUS GESTOS E FEIÇÕES AO SEU DISCURSO

 

Você já pensou em falar “sim” e balançar a cabeça para a esquerda e para a direita? Ou falar “não” e balançar para cima e para baixo? Ou ainda contar da morte de um amigo com sorriso no rosto? Veja que todas essas ações provocam “nós” na cabeça das pessoas e as deixam confusas.

 

Quando for falar verbalmente algo a determinada pessoa, é preciso que as ações sejam condizentes ao discurso. A velha regra de nossos pais de que não é possível educar sem assumir postura séria em frente às crianças é completamente válida, para toda a vida.

 

7. MANTENHA O TOM DE VOZ MEDIANO

 

Quando uma pessoa precisa gritar excessivamente, ou mesmo alterar o tom de voz em algum momento, essa pessoa saiu do campo da argumentação e passou a prevalecer por meio da “força” vocal. O aumento do tom de voz, com sinais de agressividade sendo transmitidos, faz com que se perca a credibilidade com o ouvinte, e ele deixe de respeitar quem escuta, não recebendo bem a mensagem.

 

Para se comunicar bem, é importante ter o domínio do que se fala e expressar de forma clara, tranquila e em tom de voz mediano, suficiente para ser audível (ouvido). Isso deixa o outro mais confortável no recebimento de instruções e mensagens.

 

ALÉM DE COMUNICAR, É PRECISO ESTABELECER PRIORIDADES!

 

Existem outros elementos tão importantes quanto a comunicação para que tenhamos sucesso na vida e na carreira. Um desses elementos é a gestão de nosso tempo, que é finito, por mais que tenhamos o desejo de fazer e ser muitas coisas. Na postagem sugerida, falamos um pouco mais sobre esse assunto (clique no link da barra azul 👇🏻)!

 

 

E AINDA MAIS PARA VOCÊ:

 

 

GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!