O milho e a famĂ­lia, por Os Serranos đŸŽ”đŸŽ¶

Quem vive na lida de campo sabe da importĂąncia que tem uma boa roça de milho, seja para alimentar a famĂ­lia, seja para alimentar os animais do sĂ­tio. Tocando essa experiĂȘncia, Os Serranos lançaram a canção “O milho e a famĂ­lia” no mais novo ĂĄlbum “Renasce o Rio Grande, Vol. 2”.



 

DEPOIS, VOCÊ PODE OUVIR TAMBÉM

» Caranguejo, por TchĂȘ Gurizadinha

 

» Num bugio, por Os Serranos

 

» Ranchinho

 

 

VocĂȘ pode ouvir e acompanhar a letra desse verdadeiro tributo Ă s tradiçÔes logo a seguir:

 

 

[Os Serranos interpretam “O milho e a famĂ­lia”. VĂ­deo postado por usuĂĄrio do Youtube.]

 

ACOMPANHE A LETRA

 

“Vivo do milho que eu planto e tambĂ©m trato a bicharada

Com polenta e milho verde, eu criei a filharada

Faço quirera pros pintos, pato, galinha e porcada

Ainda guardo talo e folha pra algum tempo de geada

 

Faço conta do que eu uso e do que eu posso vender

Levo o tanto que me sobra no vizinho pra moer

Faço o brique no bolicho por coisas de precisão

Querosene, sal e erva, arame, prego e facĂŁo

 

A alegria de um bravo agricultor

Ver o milho embonecando com chuva, sol e calor

FamĂ­lia unida nos costumes do interior

Pede proteção ao céu e cuida a terra com amor

 

Vida de quem Ă© do campo, defendendo sua existĂȘncia

E, buscando seu caminho, fez daqui sua querĂȘncia

NĂŁo assusta com prenĂșncio de algum inverno bem feio

Deus abençoou a safra e estå com o paiol bem cheio

 

Milho que seca no pé, tå sujeito a apodrecer

Se Ă© tempo de chuvarada e a nuvem aparecer

Quebra a planta em cotovelo, serviço da gurizada

É um festival de coceira, beliscão e gargalhada

 

A alegria de um bravo agricultor

Ver o milho embonecando com chuva, sol e calor

FamĂ­lia unida nos costumes do interior

Pede proteção ao céu e cuida a terra com amor

 

GrĂŁo que nos dĂĄ o sustento, digo com toda certeza

Rico ou pobre, nĂŁo importa, presente em todas as mesas

Brasil do colono forte que, na primĂĄria cultura

Semeia nosso alimento e nos dĂĄ tanta fartura

 

Do pé, se aproveita tudo e no trançado, se trabalha

Cadeira, cama e colchão, balaio e chapéu de palha

Entre secas e geadas, sigo aguentando o repuxo

SĂł me assombra a rataiada, as lagarta e os caruncho

 

A alegria de um bravo agricultor

Ver o milho embonecando com chuva, sol e calor

FamĂ­lia unida nos costumes do interior

Pede proteção ao cĂ©u e cuida a terra com amor”

 

MAIS UMA DICA MUSICAL:

 

Na sugestĂŁo đŸ‘‡đŸ» da faixa azul, lembramos do terror das redondezas, o LadrĂŁo de Moça! Confira esse sucesso do Mano Lima!

 

 

E AINDA MAIS PARA VOCÊ:

 

 

 

GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE 😉 COM SEUS AMIGOS!

Postar um comentĂĄrio

0 ComentĂĄrios