Capitães da Areia, de Jorge Amado

por - segunda-feira, março 25, 2019

Literatura


A obra "Capitães da Areia" foi escrita por Jorge Amado durante a escola literária do Modernismo. Ele conta, sem a presença de protagonistas, a história de meninos de rua, em uma linha tênue entre pensamentos ingênuos de crianças e um mundo do crime, por meio de um narrador onisciente, ou seja, que sabe tudo o que se passa e não é nenhum dos personagens. Portanto, a narrativa é em terceira pessoa. O protagonismo é dado ao grupo dos capitães, que serviram para retratar uma realidade social por detrás do que se torna página policial.

https://www.oblogdomestre.com.br/2019/03/CapitaesDaAreia.JorgeAmado.Literatura.html
[Imagem: Revista Época]



O autor decidiu começar o livro contando as histórias, por meio de reportagens fictícias, de como acontecia a atuação do grupo Capitães de Areia, cuja subsistência se dava por furtos. Filho de pai morto muito cedo, Pedro Bala era o mais esperto de todo o grupo, tanto que assumiu a sua liderança. As reuniões entre ele e os demais aconteciam em um trapiche abandonado.

Aos poucos, as crianças vão sendo apresentadas. Observa-se que, assim como se vê no noticiário, há muitos apelidos entre os criminosos, representando, em parte, suas personalidades. Professor é aquele que lê para si e aos outros e cria estórias. Gato é o bonitão que se relaciona com a prostituta Dalva. Sem pernas era um deficiente que era amargurado por sua condição, e que a utilizava para especular o que havia nas casas, passando por menino abandonado. João Grande é... adivinhe... grande.

Em certo momento, um surto de varíola atinge inúmeras pessoas, dentre elas um dos membros do bando. Em paralelo, Dora e Zé Fuinha surgem, sendo que Dora assume o posto de namorada do chefão.

Em mais uma das ações criminosas, a polícia acabaria por descobrir, mas apenas Dora e Pedro Bala foram pegos. Dora foi parar em um orfanato, e quando voltou ao grupo já estava muito debilitada e morreu. Pedro passou alguns dias sendo torturado pela polícia.

Após Dora falecer, os personagens vão ganhando destinos que também vão de acordo com suas personalidades. Pirulito, que era religioso, vai acompanhar o Padre José Pedro na Igreja. Gato vira cafetão de Dalva e os dois se mudam para Ilhéus. Sem pernas morre após uma perseguição.

O pai de Pedro Bala era sindicalista e havia morrido em uma greve. Seu filho foi cada vez mais se encantando pelo mundo da militância, até chegar ao ponto de passar o bastão de líder dos Capitães de Areia e assumir esse novo posto em sua vida.

Historicamente, o livro foi marcado por alguns episódios como a queima de exemplares em praça pública, durante o Estado Novo, de Getúlio Vargas. Em uma obra literária dessas é bom lembrar que não se quer fazer a apologia ao crime, mas entender melhor os porquês que levam a que ele aconteça, e que são negados por parte da população.


👉 E ainda mais para você: O cortiço - resenha crítica



GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!

#PartiuLer Mais essas sugestões de posts!

0 comentários

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Não aceitamos comentários com links. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!