Tipos de revisão bibliográfica


Variedades


A revisão bibliográfica é peça central nos trabalhos científicos. Nela, tem-se o embasamento teórico para uma dada pesquisa, demonstra-se lacunas no conhecimento ou mesmo o que é o estado-da-arte em um determinado tema. Há diferentes tipos de revisão, que vão atender esses objetivos de forma distinta.

https://www.oblogdomestre.com.br/2018/08/TiposDeRevisaoBibliografica.Variedades.html
[Imagem: Hogar unCOMO]



REVISÃO NARRATIVA


A revisão narrativa é a forma mais primária de fundamentação teórica. Materiais de aula como livros e apostilas, pesquisas em buscadores web ou sites conhecidos nos levam a um primeiro contato com um dado tema, seus avanços, limites e aspectos relevantes. Não há um roteiro bem definido: você pode acabar lendo uma referência citada em outra pesquisa acadêmica para complementar ou inserir algo novo na sua.

Geralmente, a revisão narrativa é a regra para trabalhos acadêmicos de menor nível (monografia ou o famoso TCC). Como a complexidade deles é menor, diminui a necessidade por definir um estado-da-arte atualizado.

REVISÃO SISTEMÁTICA


Outro método mais avançado é a revisão sistemática. Sua origem está na área da saúde, onde vários artigos primários (experimentais) eram avaliados por bancas examinadoras. Por meio de um processo com critérios bem definidos e que poderia ser replicado, avaliava-se a eficácia de certas técnicas e medicamentos juntando dados dos experimentos em um estudo maior.

Atualmente, esta tarefa tornou-se mais simples pela existência de bases de dados digitais. Coleta-se documentos científicos e suas referências, usando os mesmos critérios (título, palavras-chave, resumo), nas diferentes bases. Esses documentos são inseridos em um aplicativo organizador, remove-se duplicados e depois é feita a revisão com a leitura dos artigos resultantes. Esgota-se as possibilidades de referências dentro das fontes consultadas, favorecendo definir um estado-da-arte.

Alguns programas de pós-graduação exigem dissertações e teses que tenham sido fundamentadas usando revisão sistemática. Mas nem todos os orientadores pedem que ocorra a descrição do método da revisão dentro da seção de métodos.

REVISÃO INTEGRATIVA


Alguns autores descrevem a revisão integrativa como sendo a sistemática que aceita estudos secundários (não experimentais). Vendo-a como sistemática, possuiria um critério de exclusão a menos. É mais difícil encontrá-la assim denominada.

REVISÃO BIBLIOMÉTRICA


É fruto principalmente das revisões sistemática e/ou integrativa. Além da leitura em si, pode-se analisar e ranquear as informações que vem da revisão. Um exemplo é o autor: aquele que foi mais citado ou publicou o maior número de trabalhos científicos. Outro pode ser o local – um tema pode ser mais relevante em alguns locais do que outros. Também pode ser usada a classificação Qualis – Capes de alcance de publicações para definir publicações mais relevantes.

Um último item, dentre vários dados bibliométricos que podem ser observados, é o ano de publicação. Esse dado serve para ver o interesse sobre um tema, se ele se mantém atual ou se já se esgota esse interesse, se crescem as publicações ou algum fato extraordinário influenciou esse dado.


👉 E ainda mais para você: Elaborando um fichamento para pesquisa



GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.