O grande livro do jornalismo


Literatura


O grande livro do jornalismo (Editora José Olympio), editado por Jon E. Lewis, reúne 55 dos mais emblemáticos textos jornalísticos de todos os tempos. De “ homem é guilhotinado em Roma”, escrito por Charles Dickens em 1845, a “O relógio marcava 7h55 – precisamente o momento em que o míssil explodiu”, de Robert Fisk, sobre a eclosão da Guerra do Iraque, em 2003, reúne a elite do jornalismo e exibe uma lição de seriedade, competência e talento.
.


[Imagem: Reprodução]


 

O volume traz ainda reportagens assinadas por Mark Twain, Jack London, John Reed, Dorothy Parker, Elliott V. Bell, John Dos Passos, John Steinbeck, George Orwell, Relman Morin, Merriman Smith, Norman Mailer, Hunter S. Thompson, Gore Vidal e Jon Krakauer, entre outros.

Esse foi um dos livros mais desafiadores que já li. A cada reportagem que lia, vi como o texto jornalístico evoluiu em quase cento e cinquenta anos. Um dos textos favoritos do foi “Fuga” de Winston S. Churchill (1900). Nessa reportagem, o jornalista conta como conseguiu fugir de uma prisão de na África do Sul e toda a sua trajetória que para sair do país.

Outro texto que me chamou a atenção foi “O último passo” de I. Vedeneeva, que é uma reportagem investigativa sobre um hospital que atende pessoas que já tentaram suicídio na antiga União Soviética (1989). Mesmo esse texto ter sido escrito há quase trinta anos ele continua atual, principalmente por causa dos casos de suicídios por causa do “jogo” Baleia Azul. Lembrando que esse jogo surgiu na Rússia, uma ex-república soviética, no ano de 2015 e já registrou casos aqui no Brasil.

A maioria dessas reportagens se encaixam no estilo do new journalism ou jornalismo literário. Gênero que ganhou destaque com o livro A sangue frio de Truman Capote. Esse estilo de texto jornalístico mistura fatos reais com elementos da literatura.

É uma verdadeira viagem pela história da humanidade onde esses grandes jornalistas participaram e registraram grandes acontecimentos como a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, a ascensão de The Beatles, as mortes de John Kennedy e Martin Luther King até a guerra contra o Talibã no Afeganistão.

Para se ter noção da qualidade dos textos de O grande livro do jornalismo, muitos desses textos ganharam o Prêmio Pulitzer, um dos maiores prêmios de jornalismo, literatura e composição musical do mundo. Uma dessas reportagens que estão no que ganhou o Prêmio Pulitzer foi “Uma nuvem em forma de cogumelo” de William L.  Laurence que presenciou a destruição de Nagasaki pela bomba atômica lançada pelos Estados Unidos sobre a cidade japonesa durante a Segunda Guerra Mundial em 1945.

A conclusão que eu tiro após ler O grande livro do jornalismo é que por meio da minha profissão eu posso mudar o mundo. Tenho a missão de contar e registrar a história da minha cidade, estado e país.

No meu caso, eu já estou na história da minha cidade natal – Vacaria, RS. O jornal que eu trabalho atualmente – o Correio Vacariense – a cada início de ano, o jornal entrega para a Biblioteca Pública Municipal de Vacaria um livro com todas as edições publicadas pelo jornal no ano anterior. Como eu trabalho no jornal desde agosto do ano passado meu nome aparece no editorial a partir de mês. Eu já tenho meu garantindo quando for entregue o livro com as edições de 2017.

Assim como esses grandes jornalistas estou deixando o meu nome na história. Imagine daqui a cinquenta anos: as gerações futuras que forem pesquisar o que aconteceu em Vacaria e na região dos Campos de Cima de Serra nos anos de 2016 e 2017 vão ver no editorial – Jornalista: Mateus Rosa.

Usando as ferramentas que tenho à disposição como a internet e as redes sociais quero fazer o jornalismo clássico com ética mesclando com as tecnologias do século XXI. Esse é mais um livro que recomendo a leitura. Vocês vão se surpreender.

O grande livro do jornalismo foi um presente de formatura da minha querida professora Keltryn Wendland. Ela foi umas das professoras que eu homenageei na minha formatura. Só tenho a agradecer a Keltryn pela escolha do livro. Adorei o presente.


SOBRE O AUTOR DO LIVRO



Jon E. Lewis
nasceu em Hereford, Inglaterra em 1961, e atualmente mora no sul do País de Gales, onde trabalha como escritor e crítico freelancer. Seus livros anteriores incluem várias antologias, como Os melhores contos de faroeste publicado pela Editora José Olympio.
.

ESTE É UM ARTIGO ESCRITO POR MATEUS ROSA, jornalista formado pela UNIFACVEST de Lages/SC. Originalmente, este texto pertencia do blog Mundo em Pauta, que atualmente faz parte do Blog do Mestre. Mateus Rosa ainda é autor do Repórter Riograndense, site que trata da cultura gaúcha envolvendo curiosidades, tradicionalismo e a agenda local.




GOSTOU DESTA POSTAGEM ? USANDO A BARRA DE BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS 😉!

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.