Química

São necessárias diferentes medidas para que sejam evitadas as consequências sérias dos efeitos de corrosão por formação de pilha galvânica, que incluem revestimentos protetores, inibidores de corrosão e isolamento elétrico de materiais. Veja abaixo, de maneira mais detalhada, cada uma destas medidas:

Corrosão
[Imagem: Voz em fuga]


Isolamento elétrico dos materiais que possuem potencial de eletrodo distinto: preferivelmente não devem ser projetadas estruturas e equipamentos que possuam contato direto entre materiais com potenciais de eletrodo muito distintos. Porém, quando for inevitável a existência destas diferenças em proximidade, como no caso entre chapas de alumínio sobre estruturas de aço, juntas de latão em canalização de aço, entre outros exemplos; nos pontos de junção, gaxetas, niples e arruelas não metálicas (Hypalon, Teflon, Celeron, etc.) devem ser usados, de forma a agir como isolantes.

Materiais de sacrifício: luvas e niples de desgaste podem ser utilizados em caso de uniões de canalizações de pequeno diâmetro, onde a resistência elétrica dos líquidos fazem com que a ação galvânica e o consequente ataque corrosivo perduram até 4 diâmetros longe da junção. Esta solução é válida apenas em impossibilidade de, ou troca total de tubulações metálicas por plásticas em PVC e PPR, onde continuidade das tubulações usando este mesmo tipo de tubulação plástica.

Aplicação de revestimentos protetores: por meio de pinturas, tanto a superfície dos prováveis ânodo e cátodo devem ser protegidas e separadas por película de tintas. Para que, em caso de falha da proteção do cátodo (tinta), se recomenda a pintura do ânodo também.

Uso de materiais com potenciais próximos: Busca-se ao máximo utilizar metais com potenciais de eletrodo próximos, se não houver a possibilidade de usar o mesmo material em peças adjacentes.

E ainda mais para você: Mecanismos de corrosão





Þ GOSTOU DESTA POSTAGEM? USANDO ESTES BOTÕES, COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!