Comprar? Sim. Pague depois

watch_later 19 de dezembro de 2013
comment Comentar
Crônica


Veja esta crônica escrita por Paulo Sant’Ana para o Jornal Zero Hora de Porto Alegre, em outubro de 2011, falando sobre a facilidade de crédito nos dias atuais.


[O crédito revolucionou a forma como compramos. Imagem: Acisa]




“O meu instrutor de ginástica, Paulo Toldo, costuma dizer: “Comprar é uma coisa, pagar é outra bem diferente”. E tem razão. Todas as coisas com valor que adquiri, se eu fosse sensato, não deveria adquiri-las. Era quase certo que não poderia pagá-las, mas enfrentei o crédito e acabaram sendo minhas.

Em suma, para se comprar um bem caro, é necessário que se tenha receio de não poder pagá-lo.

O crédito é esta fenomenal invenção humana mediante a qual se pode adquirir alguma coisa antes mesmo de merecê-la, isto é, depois de adquirido o bem, é que você vai se esforçar para pagá-lo. Eu não poderia ter adquirido, há 30 anos, minha primeira casa própria, se não fosse em 240 prestações mensais, pelo então existente Banco Nacional de Habitação. E, depois de 20 anos, eu não estava só na posse mas também na propriedade do meu apartamento.

Não conheço ninguém próspero que não tenha usado o crédito para ficar rico. Todos os ricos compraram seus bens e empresas a crédito. Podem até os ricos comprar tudo à vista agora que estão ricos, mas só ficaram ricos porque compraram tudo a crédito.

Então, sob certo aspecto, quando se vai adquirir alguma coisa de valor, deve-se pensar assim: “Em realidade, eu não poderia adquirir isso, mas vou fazê-lo, com o tempo eu haverei de dar um jeito de pagar”. Esse truque vem a ser exatamente a impetuosidade exigida em todo negócio, que implica risco e coragem. Eu vou além, se eu fosse impetuoso e corajoso nos negócios, tenho certeza de que seria rico. Só não o sou porque meus receios, minha mania de fazer tudo com os pés no chão, não me deixaram comprar a crédito tudo o que deveria ter comprado. Vai daí que para se prosperar não se tem de ter os pés no chão, tem de se ter a cabeça no sonho.

Conheci muita gente que ficou rica tendo o seguinte comportamento: comprava tudo o que podia a crédito, não interessava nem o preço, podia ser exagerado. Mas comprava. E foi se locupetando. É também verdade que conheci muita gente que saiu a comprar tudo a crédito e depois não pôde pagar e foi à falência. Mas eu não estou aqui me fixando nos que se deram mal ao comprar a crédito. Eu estou aqui afirmando que todos que se deram bem foi porque compraram a crédito.

Quantos milhões de pessoas não poderiam ter adquirido seus refrigeradores, televisores, carros, se não fosse pelo crediário? Ou seja, o crédito transforma a vida para melhor, além de ser fator impulsionador de progresso das pessoas, creio que também das nações. Comprar é uma coisa, pagar é outra bem diferente. E, depois que criaram esse tal de cartão de crédito, as pessoas não compram mais à vista coisa nenhuma, nem o cigarro, nem o jornal, talvez só a engraxada no sapato.”




Þ Gostou desta postagem? Usando estes botões, compartilhe com seus amigos!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)