Lendas de sonhos

watch_later 14 de setembro de 2013
comment Comentar
Poesias

 

[Foto: Dana Social]

 

Na letargia dos anos,
Adormeci,
E meus sonhos criança, livres, sem rédeas,
Perderam-se no rastro do Boi Barroso
Enfurnaram-se nas grutas do Jarau,
Para depois, se desencantar como o vaqueano Blau,
Dissolveram-se no ar como o fogo-fátuo do Boitatá
Promessas fiz,
Tocos de velas acendi, e pedi
Para o Negrinho do Pastoreio arrebanhá-los
Apenas por um instante neste dia
E apresilhá-los frouxamente
Neste arremedo de poesia

 

VIEIRA, Lili Ana Minuzzo. 

 


 

 

Þ Gostou desta postagem? Usando estes botões, compartilhe com seus amigos!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)