A mineração e o Santinho-do-pau-oco

watch_later 16 de maio de 2013
comment Comentar
História

 

A máxima popular usada para designar pessoas falsas e mentirosas teve sua origem há muito tempo: remonta ao auge da mineração em nosso país. Como sabemos, a sede por riquezas dos países colonizadores sempre foi grande e por aqui a coisa não foi muito diferente.

[Santinho-do-pau-oco: um dos primeiros jeitinhos brasileiros. Foto: Blog do Pavan]

De todas as riquezas obtidas com a extração de ouro em Minas Gerais (principalmente), Mato Grosso e Goiás entre os séculos XVII e XVIII, um quinto ou 20% (o que justifica o nome do imposto: ‘O Quinto’) deveria ser pago como forma de imposto à coroa portuguesa. A carga tributária em nosso país seguiu alta (há estudos atuais que apontam que o governo recebe cerca de 17% de tudo o que é produzido por uma empresa, ou seja, a coisa não mudou muito. E mais, no geral, o pagamento de impostos pelos brasileiros chega a comprometer mais de 40% do PIB) e, como sempre, surgiu um jeitinho de driblar a cobrança de impostos: confeccionar imagens de santos católicos em madeira, ocos, que poderiam ser recheados com ouro em pó ou algum tipo de pedra preciosa. Estas imagens passavam pela fiscalização da coroa sem que fossem percebidas.
Todo o ouro extraído nas minas deveria ser levado para as casas de fundição / intendência, onde se recolhia o quinto e se realizava o beneficiamento em barras do ouro e demais metais. Além deste imposto, também existiu a derrama, que complementava as dívidas dos mineradores para com a coroa. Mesmo antes do ciclo do ouro, desde o processo de colonização, já foi determinado pela coroa que qualquer riqueza extraída em solo brasileiro seria submetida à taxação, pois era claro o interesse nesse tipo de riqueza, que demorou a ser descoberta, havendo antes os ciclos do pau-brasil e do açúcar.
Outras pesquisas históricas também constataram que o santinho-do-pau-oco foi uma forma que os negros escravizados buscaram para conseguir conquistar a liberdade, por meio da compra da carta de alforria, após guardarem vários carregamentos de ouro. Por algum tempo, outras práticas foram: guardar pedras de diamante escondidas em seus cabelos ou em outras regiões do corpo, em vasos de barro, etc. Outra versão histórica, menos difundida, é a de que imagens de santos recheados de dinheiro falso teriam vindo de Portugal para o Brasil, descrita por Câmara Cascudo.
 

Você também pode gostar de: (História) Revoltas no Período Regencial.

 


 
Þ Gostou desta postagem? Usando os botões abaixo, compartilhe com seus amigos!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)