Morte e vida Severina (II)


cliptomania

ENCONTRA DOIS HOMENS CARREGANDO UM DEFUNTO NUMA REDE, AOS GRITOS DE "Ó IRMÃOS DAS ALMAS! IRMÃOS DAS ALMAS! NÃO FUI EU QUE MATEI NÃO!"


— A quem estais carregando,
irmãos das almas,
embrulhado nessa rede?
dizei que eu saiba. 

— A um defunto de nada,
irmão das almas,
que há muitas horas viaja
à sua morada. 

— E sabeis quem era ele,
irmãos das almas,
sabeis como ele se chama
ou se chamava? 

— Severino Lavrador,
irmão das almas,
Severino Lavrador,
mas já não lavra. 

— E de onde que o estais trazendo,
irmãos das almas,
onde foi que começou
vossa jornada? 

— Onde a caatinga é mais seca,
irmão das almas,
onde uma terra que não dá
nem planta brava. 

— E foi morrida essa morte,
irmãos das almas,
essa foi morte morrida
ou foi matada? 

— Até que não foi morrida,
irmão das almas,
esta foi morte matada,
numa emboscada. 

— E o que guardava a emboscada,
irmão das almas
e com que foi que o mataram,
com faca ou bala? 

— Este foi morto de bala,
irmão das almas,
mas garantido é de bala,
mais longe vara. 

— E quem foi que o emboscou,
irmãos das almas,
quem contra ele soltou
essa ave-bala? 

— Ali é difícil dizer,
irmão das almas,
sempre há uma bala voando
desocupada. 

— E o que havia ele feito
irmãos das almas,
e o que havia ele feito
contra a tal pássara? 

— Ter um hectares de terra,
irmão das almas,
de pedra e areia lavada
que cultivava. 

— Mas que roças que ele tinha,
irmãos das almas
que podia ele plantar
na pedra avara? 

— Nos magros lábios de areia,
irmão das almas,
os intervalos das pedras,
plantava palha. 

— E era grande sua lavoura,
irmãos das almas,
lavoura de muitas covas,
tão cobiçada? 

— Tinha somente dez quadras,
irmão das almas,
todas nos ombros da serra,
nenhuma várzea. 

— Mas então por que o mataram,
irmãos das almas,
mas então por que o mataram
com espingarda? 

— Queria mais espalhar-se,
irmão das almas,
queria voar mais livre
essa ave-bala. 

— E agora o que passará,
irmãos das almas,
o que é que acontecerá
contra a espingarda? 

— Mais campo tem para soltar,
irmão das almas,
tem mais onde fazer voar
as filhas-bala. 

— E onde o levais a enterrar,
irmãos das almas,
com a semente do chumbo
que tem guardada? 

— Ao cemitério de Torres,
irmão das almas,
que hoje se diz Toritama,
de madrugada. 

— E poderei ajudar,
irmãos das almas?
vou passar por Toritama,
é minha estrada. 

— Bem que poderá ajudar,
irmão das almas,
é irmão das almas quem ouve
nossa chamada. 

— E um de nós pode voltar,
irmão das almas,
pode voltar daqui mesmo
para sua casa. 

— Vou eu que a viagem é longa,
irmãos das almas,
é muito longa a viagem
e a serra é alta. 

— Mais sorte tem o defunto
irmãos das almas,
pois já não fará na volta
a caminhada. 

— Toritama não cai longe,
irmãos das almas,
seremos no campo santo
de madrugada. 

— Partamos enquanto é noite
irmãos das almas,
que é o melhor lençol dos mortos
noite fechada. 

Veja também: (Curiosidades) Você conhece o Lequetreque?

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.