McDonaldização


“A Globalização funciona como uma lente de aumento que permite à população mundial não apenas enxergar as implicações internacionais dos problemas locais, mas também seus efeitos colaterais nas suas vidas.” 

Para muitos, a globalização, entendida como mundialização do mercado, é um avanço cujos efeitos negativos podem ser corrigidos. Para outros, representa, de fato, a ocidentalização do mundo, com o objetivo de atender aos interesses do capitalismo em sua fase mais avançada: a da transnacionalidade dos oligopólios empresariais.
Concordo com aqueles que consideram que o atual modelo de globalização não passa de um clichê demagógico de quem busca impor ao planeta um pensamento único – o de uma parcela privilegiada do hemisfério Norte, onde 20% da população mundial consome 80% da produção industrial do planeta – com caráter de universalidade incontestável.
Não é a economia que se mundializa, é o mundo que se economiciza, convertendo todos os valores, materiais e simbólicos, ao preço de mercado. Tal fenômeno submete a cultura e a política à lei da oferta e da procura. Como a teoria econômica não fixa nenhum limite ao império do mercado, tudo que é objeto do desejo humano é reduzido às relações de troca, segundo as regras do sistema: um dos parceiros leva mais vantagem do que o outro.
[...] A agenda política dos países passa a ser ditada, cada vez mais, pelos interesses das transnacionais e, cada vez menos, pelas reais necessidades nacionais. A política abandona progressivamente sua função de administrar o progresso econômico e social interno, para gerir estratégias econômicas impostas aos países de fora para dentro.
No plano cultural, a criatividade tende a abandonar as ousadias do espírito humano para adequar-se à forma do mero entretenimento, como os enlatados que entopem nossos canais de TV.
Toda a comunicação de massa torna-se mero apêndice publicitário, voltada mais a formar consumidores que cidadãos. A internet, embora represente uma revolução estrutural apresentada como um veículo de informação global, é um produto cujos conteúdos e tecnologia são monopólios ocidentais.
Depara-se, hoje, com um grande paradoxo: quanto mais se fala em liberdade de informação, mais os meios são enfeixados em mãos de grandes atores econômicos que impõem a todos os habitantes do planeta um mesmo modo de pensar e de viver. Tudo em função dessa soberana senhora: a mercadoria. É a mcdonaldização do mundo, reduzido também a um só paladar. 

BETTO, Frei. SADER, Emir.

(Crônica publicada na edição de Outubro de 2002 da revista Rainha dos Apóstolos, página 14) 

Veja também: (Química) Entropia

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.