Abóbora

watch_later 25 de maio de 2012
comment Comentar

A abóbora já era utilizada como alimento séculos antes da chegada dos europeus à América, de forma que foram encontradas sementes desta planta em sepulturas indígenas peruanas datadas pelos cientistas de aproximadamente quatro mil anos atrás. Há registros arqueológicos de até dez mil anos atrás. É uma planta anual e rasteira, com consistência carnosa e suculenta e uma casca que pode ser dura (ou duríssima, às vezes); formatos que variam desde redondas e achatadas, aproximadamente esféricas ou retorcidas (popular abóbora de pescoço).
A riqueza nutricional da abóbora; consumida in natura ou na forma de doces, compotas, lasanhas, pães e muitos outros pratos; deve-se ao caroteno, usado por nosso organismo na síntese de Vitamina A, e presente em altas quantidades (350 mg por hectograma). Segundo Maria Aldete Ferreira, Pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, a abóbora também é rica em bioflavonoides, bloqueadores dos receptores de hormônios estimulantes do câncer, e esteróis que são transformados em vitamina D no organismo, estimulando a diferenciação celular.
Então, uma sugestão de receita:


Abóbora Caramelada

 - ½abóbora (moranga) com casca bem verdinha;
 - 2 xícaras de açúcar (um pouco menos, se preferir);
 - ½ litro de água;
 - 2 pedacinhos de cravo;
 - 1 pedaço pequeno de canela.

Corte a abóbora em pedaços pequenos, mais ou menos a metade do tamanho de sua mão. Em uma panela de boca larga (se for de ferro, ainda melhor) faça um caramelo com o açúcar, mas não deixe ficar muito escuro para não amargar. Em seguida, coloque as abóboras viradas com a casca para cima, os cravos, a canela e coloque aproximadamente 1 copo de água. Use pouca canela e cravo para que o sabor da abóbora não seja muito alterado. Quando estiver secando a água, vire os pedaços com a casca para baixo e pingue água, deixe-os cozinhar abafados em fogo baixo até que as cascas estejam molinhas.  O prato estará pronto quando os pedaços estiverem macios e a calda grossa novamente. Sirva em um prato com alfaces, pois o gostinho do caramelo cai bem com a verdura. Se desejar, pode comer até mesmo com a casca, que estará bem macia. O modo de ensinar pode parecer complicado, mas depois que você fizer uma vez verá o quanto é fácil e o melhor, muito saboroso.

Receita de Cibéli Barbosa. In: http://tudogostoso.uol.com.br/receita/57608-abobora-moranga-caramelada.html

São plantas que exigem clima quente para cultivo, entre 20 e 27ºC, não se adaptando a climas com temperaturas inferiores a 10ºC, com boa adaptabilidade a diversos tipos de solo, preferivelmente os argilosos. Os solos usados são levemente ácidos, com pH entre 5,5 e 6,5. Devido às questões climáticas, são plantadas o ano todo em regiões quentes e durante os meses de agosto a fevereiro em locais onde há incidência de geadas. De maneira semelhante, ocorre o plantio da abobrinha italiana, que precisa de amplitude térmica de 22 a 25º C. Desenvolve-se de forma diferente das demais espécies, com poucas ramagens e crescimento ereto. A cultura da abóbora precisa de temperaturas altas, mas não muito, pois em temperaturas muito elevadas a produtividade sofre queda por questões de polinização. Como todas as variedades de plantas existentes, sofre com o problema da perda de variabilidade, pois apenas algumas variedades são conservadas. O órgão governamental que trabalha com pesquisa agropecuária, a Embrapa, realiza atividades visando preservar as mais diferentes espécies existentes em nosso país, com reprodução de espécies e manutenção de bancos de sementes. 

Abóbora laranja
© Corbis.

  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)