Segunda Guerra Mundial - precedentes

watch_later 11 de fevereiro de 2012
comment Comentar
História


           É de consenso geral que a maior causa da Segunda Guerra Mundial foi o Tratado de Versalhes, assi­nado ao fim da Primeira Grande Guerra, pelos países da Tríplice Entente (Inglaterra, França, Estados Uni­dos, Rússia; os “vencedores”) e Tríplice Aliança (Alemanha, Áustria, Itália; os “perdedores”). A Alemanha se viu sem o domínio da Alsácia-Lorena, conquistada na guerra Franco-prussiana em 1870 e então devolvida aos franceses, e sem o chamado Corredor Polonês, que desde então se tornou polonês. A cidade alemã de Danzig passara a ser controlada pela Liga das Nações; o território de Sarre ficaria em posse da França onde há minas riquíssimas em Carvão mineral. Deveria ceder outras regiões à Bélgica, à Dinamarca e à Polônia. Fora vedado à Alemanha possuir um exército superior a cem mil homens, exigiu-se a desmilitari­zação da região fronteiriça da França (Renânia), incluindo o desmantelamento das fortificações ali situadas, proibida a aviação militar na Alemanha, entre outras sanções.
Veja abaixo um trecho do Tratado de Versalhes.


Art. 45 – Alemanha cede à França a propriedade absoluta [...], com direito total de exploração, das minas de carvão situadas na Bacia do Rio Sarre.
Art. 80 – A Alemanha reconhece e respeitará estritamente a independência da Áustria.
Art. 81 – A Alemanha conhece a completa independência da Tchecoslováquia.
Art. 87 – A Alemanha conhece a completa independência da Polônia.
Art. 119 – A Alemanha renuncia, em favor das potências aliadas, a todos os direitos sobre as colônias ultramarinas.
Art. 160 – O Exército Alemão não deverá ter mais que sete divisões de Infantaria e três de Ca­valaria. Em nenhum caso, a totalidade dos efetivos do exército deverá ultrapassar cem mil homens.
Art. 171 – Estão proibidas na Alemanha a fabricação e a importação de carros blindados, tan­ques ou qualquer outro instrumento que sirva a objetivos de guerra.
Art. 173 – Todo serviço militar universal e obrigatório será abolido na Alemanha. O exército alemão só poderá ser constituído e recrutado através do alistamento voluntário.
Art. 232 – A Alemanha se compromete  a reparar todos os danos causados à população civil das potências aliadas e a seus bens.
Adhemar Martins Marques e outros. História Contemporânea – textos e documentos. São Paulo, Contexto, 1999. P. 115-117
Maria de Lourdes Janotti. A primeira Guerra Mundial – o confronto do imperialismo. São Paulo, Atual, 1992. P. 62-64

Estas sanções aplicadas à Alemanha geraram um enorme rancor que foi utilizado pela extrema-es­querda nazista, na figura de Adolf Hitler, que começou a crescer em popularidade no ano de 1919. O Tra­tado de Versalhes feriu o orgulho alemão, entretanto não suprimiu em sua totalidade o potencial industrial do país.
A crise econômica de 1929 também influenciou na guerra, pois no momento já podemos dizer que a economia mundial estava globalizada. Os países iniciaram uma verdadeira guerra fiscal em prol do proteci­onismo a indústria nacional. A produção mundial fora reduzida em quarenta por cento, onze milhões de desempregados só nos Estados Unidos.  Merece destaque a não existência desses temores na URSS, que tinha uma economia baseada na produção interna e no comércio com países do bloco socialista, com seus planos quinquenais.
A Sociedade das Nações ou liga das Nações, formada após a Primeira Grande Guerra, apenas solucionou algumas questões internacionais, mas não possuía poder de coerção sobre seus membros e por isso não impediu vários conflitos que marcaram a década de 30, como a invasão nipônica da Manchúria, guerra sino-japonesa, Guerra do Chaco entre Paraguai e Bolívia de 1932 a 1935 e a invasão italiana da Etiópia. Um dos problemas da Sociedade das Nações foi a não efetiva participação dos EUA, URSS e Alemanha.
A Sociedade das Nações foi ineficiente, como nos relata o historiador Eric Hobsbawn:
 
“Por fim, as potências vitoriosas (da Guerra de 1914-1918) buscaram desesperadamente o tipo de acordo de paz que tornasse impossível outra guerra como a que acabara de devastar o mundo [...]. Fracassaram de forma mais espetacular. Vinte anos depois, o mundo estava de novo em guerra.”
HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos – O breve século XX: 1914-1991. São Paulo:Companhia das Letras, 1996. p. 39-40 

          Adolf Hitler foi implacável em seu modelo totalitário no quesito repressão aos adversários políticos, aos quais sufocou em menos de um ano de poder. Repressão à imprensa e apresentação ao mundo da parte conveniente da situação sócio-político-econômica alemã fez com que nenhum país além-fronteira soubesse da situação antidemocrática do país, e, portanto, não intervisse. Outra estratégia do Führer foi criar uma imagem internacional de anticomunista. Assinou em 1936 e 1937 (com Japão e Itália, respecti­vamente) o pacto Anti-Komintern, marcando um isolamento para com a URSS. Para conseguir retomar o crescimento da Alemanha e transformá-la em Potência novamente, foi fundamental romper os termos do Tratado de Versalhes. O espaço vital proposto por Hitler em seu livro Mein Kampf, não poderia ser conquis­tado, pois, sem o rearmamento do país e a reunião dos povos germânicos, através do expansionismo terri­torial.
O Japão, seguindo a mesma linha expansionista, cria conflitos com a China e EUA.
A guerra civil espanhola, iniciada em 1936, foi um dos motivos que levou Hitler a crer que a Alema­nha poderia vencer os russos num confronto direto, já que as tropas de Franco, reforçadas com um contin­gente nazista, venceram as republicanas apoiadas por Stalin e URSS.
A ascensão de Hitler ao poder e o seu nacionalismo fizeram alemães de países vizinhos entrarem em ebulição, com o desejo de integrar-se à Grande Alemanha. Em março de 1938 foi anexada a Áustria pela Alemanha, e em seguida, visando evitar conflitos com a URSS, Stalin e Hitler assinam um acordo de não-agressão entre os dois países, com a divisão da Polônia e anexação de Estônia, Letônia e Lituânia pela URSS.
O acordo de Munique, assinado por Inglaterra, França, Itália e Alemanha, que desmembrou a Tchecoslováquia; fora desrespeitado. A anexação da Sudetolândia, Morávia e Boêmia após a ocupação de Praga por Hitler, além do desrespeito ao Pacto de não-agressão antes firmado deram início à Guerra.
 



 
>> Gostou desta postagem? Compartilhe!
  • chevron_left
  • chevron_right

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELOS ÍCONES CIRCULARES) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

sentiment_satisfied Emojis do Google (texto para inserir)