(À Ana Montenegro) 

“Tem gente morrendo
No seco Nordeste
Tem gente morrendo
Nas secas estradas
Tem gente morrendo
De fome e de sede
Tem gente morrendo
Ana
Tem gente morrendo 

Tem gente morrendo
De angústia e de medo
Tem gente morrendo
De falta de amor
Tem gente morrendo
De dor e ódio
Tem gente morrendo
Ana
Tem gente morrendo 

Tem gente morrendo
Nos campos de guerra
Tem gente morrendo
Nos campos de paz
Tem gente morrendo
De escravidão
Tem gente morrendo
Ana
Tem gente morrendo 

Tem gente morrendo
Nas prisões infectas
Tem gente morrendo
Porque quer trabalho
Tem gente morrendo
Pedindo justiça
Tem gente morrendo
Ana
Tem gente morrendo
Sim Ana
Tem gente morrendo”

TRINDADE, Solano. In: Cantares do Meu Povo, Pág. 103-104.


Veja também: (Arte) Whisky a Go Go