Outras Derivadas


Já apresentamos aqui alguns métodos de derivação para as funções potência, funções cíclicas, funções exponenciais, funções compostas de produtos e quocientes. Agora, iremos estender um pouco mais este assunto, incluindo a derivada da soma e diferença de funções, funções logarítmicas, e uma nova visão sobre a derivada das funções exponenciais. A regra da cadeia, necessária ao cálculo de derivadas, também será abordada neste post.

Quando temos uma função que é a combinação entre duas funções somadas, por exemplo, f(x) = x2 + 2x, e desejamos saber f’(x), calculamos as derivadas das funções x2 e 2x e as somamos. Dessa forma, f’(x) = 2x + 2. Podemos enunciar este fato como: “a derivada da soma é igual à soma das derivadas”. Relembrando, a regra da potência foi utilizada para derivar x2 e x, e como 2 é uma constante multiplicando uma função, a derivada de x foi multiplicada em termos deste fator. O mesmo ocorre em qualquer caso deste tipo. No caso da diferença, apenas temos um fator negativo multiplicando uma das derivadas.

Exemplo: g(t) = 4t3 – 5t2 e g’(t) = 12t2 – 10t. □

Dissemos anteriormente neste blog que a derivada de uma função exponencial é dada por (ax)’ = f’(0)ax. O problema desta fórmula reside no fato de que nem sempre conhecemos o valor de f’(0). Claro que, especificamente na função exponencial natural, o valor de f’(0) é igual a um, indicando que a derivada desta função é a própria função exponencial natural. Todavia, para bases diferentes de e, precisamos de outro método de cálculo desta derivada. E este método é dado pela fórmula (ax)’ = axln a.

Exemplos:

(2x)’ = 2xln 2   

(ex) = exln e = ex (como ln e = 1, vemos novamente que a derivada da exponencial natural é ela mesma)

(πx)’ = πxln π, pois o número “π” é uma constante. □

A regra da cadeia é o método de cálculo da derivada de funções compostas (lembre-se: combinação e composição são coisas bem diferentes) baseada no seguinte fato: se há uma função h tal que f ◦ g, intuitivamente poderíamos pensar que, a função f e a função g possuem taxas de inclinação próprias. Se g varia duas vezes e f varia quatro vezes em relação à x, h varia oito vezes em relação à x. Por isso, não podemos afirmar que a derivada do produto é o produto das derivadas e há uma fórmula específica h’ = f’g + fg’ para isso. O mesmo vale para a derivada do quociente, que é dada por (gf’ – fg’)/g2. Então, “a derivada de uma composta é o produto das derivadas” e esta regra permite a derivação de funções mais complexas. Calculamos a derivada da função ‘de fora’ para a função ‘de dentro’ vezes a derivada da função ‘de dentro’.

Exemplo I: saber a derivada c’(t) da função c(t) = t2 senπt.

A derivada desta função usará a regra do produto e da cadeia. Primeiro, aplicamos a regra do produto:

c’(t) = t2 (senπt)’ + (t2)’ senπt. Em seguida, a regra da cadeia em senπt, que é a composição entre as funções f=πx e g=senx. Então: c’(t) = t2 (cosπt x π) + (2t) senπt = 2tsenπt + πt2cosπt. 

Exemplo II: deseja-se conhecer a derivada da função y = (1 – x2)10.

Aplicando a regra da cadeia e depois a regra da soma, obtemos:

y’ = [10(1- x2)9] [ -2x] = -20x(1- x2)9. □

No caso da derivação logarítmica a fórmula para o cálculo é a seguinte:

(logax)’ = 1/ x ln a. Esta fórmula é demonstrada através de derivação implícita, assunto de posts posteriores. No caso da função logarítmica natural, ln e = 1, (ln x)’ = 1/x. Esta derivada especial permite maior facilidade em derivações usando as propriedades dos logaritmos, mas esta técnica também faz parte da derivação implícita. 

Veja também: (Tecnologia e Softwares) Novas Funcionalidades do Internet Explorer

Nenhum comentário:

Seu comentário será publicado em breve e sua dúvida ou sugestão vista pelo Mestre Blogueiro. Caso queira comentar usando o Facebook, basta usar a caixa logo abaixo desta. Muito obrigado!

NÃO ESQUEÇA DE SEGUIR O BLOG DO MESTRE NAS REDES SOCIAIS (PELO MENU ≡ OU PELA BARRA LATERAL - OU INFERIOR NO MOBILE) E ACOMPANHE AS NOVIDADES!

Tecnologia do Blogger.